Hoje o papo é sobre o sono dos bebês, dando continuidade ao assunto do post anterior.

Convidei a Patrícia Dias, do Instagram @maternomundi, para falar pra gente sobre o assunto, pois ela é uma consultora do sono materno-infantil. O texto está super esclarecedor e visa a importância das sonecas para o bem estar da criança.

A maior dificuldade para os pais no primeiro ano de vida de um bebê é fazer com que ele durma a noite toda, e essa privação de sono dos pais geralmente afeta a vida social, profissional e acaba resultando em sentimento de culpa e frustração por não saber o que fazer.

O sono é um estado que se caracteriza por alterações na atividade das ondas cerebrais, respiração, batimentos cardíacos, temperatura corporal, e outras funções fisiológicas.

Sono é uma necessidade básica da existência humana.

As noites em claro ou mal dormidas afetam diretamente o bem-estar de uma pessoa e, se isso se tornar uma rotina, pode afetar seriamente a saúde do cérebro. A falta de sono é um estresse forte para o cérebro e causa uma série de problemas, inclusive de memória, pois é durante o sono que o cérebro consolida as novas informações adquiridas no dia e as armazena como memória.

Doenças cardíacas, diabetes, obesidade e problemas cerebrais são alguns dos problemas ligados a poucas horas de sono.

O sono tem uma importância crítica para a reconstrução do corpo e a manutenção do estado funcional, todos os tipo de danos parecem ocorrer (devido à falta de sono).Se não conseguimos regenerar e substituir células, então, isto vai levar a doenças degenerativas.

O sono é importante para produzir hormônios do crescimento, reparar os órgãos vitais, fortalecer o sistema imunológico, ajudar no desenvolvimento cerebral da criança e propiciar a consolidação do que foi aprendido de dia.

Por isso é tão importante respeitar o sono do bebê desde o primeiro dia de vida. O bebê não nasce com o relógio biológico igual ao do adulto, que permanece acordado durante o dia e dorme durante a noite. Os ciclos de dormir e acordar do recém-nascido espalha-se pelo dia e pela noite, gradualmente estabelecendo um padrão definido de sono diurno e noturno.

O ciclo de sono do bebê também difere do adulto. Cerca de uma hora depois de adormecer, o bebê volta a fase de sono leve e essa transição entre sono profundo e leve é um período vulnerável a despertares. Enquanto que o ciclo de sono dos adultos dura em média 90 minutos, dos bebês são mais curtos, durando de 50 a 60 minutos. Por isso que alguns bebês precisam de ajuda para adormecerem novamente nessa fase de transição, no período vulnerável, entre os ciclos de sono.

Quando a criança cresce e ganha maturidade, a quantidade de tempo que consegue ficar acordada e feliz aumenta. Assim um bebê recém-nascido, dormirá bastante, aproximadamente de 15 a 18 horas/dia, enquanto uma criança de 2 anos consegue durar até 7 horas acordada antes de precisar de uma soneca, mas somente após os 4 ou 5 anos, a criança conseguirá passar o dia todos sem sonecas e feliz, conforme tabela abaixo:

foto

Ao se atentar aos sinais de sono da criança, é preciso colocá-la para tirar uma soneca, para que não fiquem exaustas, chorosas e infelizes. Conforme o tempo passa e a pressão do sono aumenta, a criança fica mais impaciente, perde a concentração e a habilidade de aprender e absorver novas informações, além da irritação e de choro.

Sem o descanso da soneca, e o sono vai se acumulando até o final do dia, crescendo e se intensificando como um vulcão, até que a criança fique completamente exausta, elétrica e incapaz de parar a explosão. O resultado é uma batalha intensa na hora de dormir, não importando o quão cansada esteja. O que explica porque um bebê/criança muito exausto, ao invés de adormecer facilmente, luta contra o sono.

Por isso o sono diurno (sonecas) é tão importante para o sono noturno. Um bebê descansado durante o dia, terá uma noite muito mais tranquila e agradável. E a melhor maneira de evitar que o vulcão entre em erupção é investir na qualidade das sonecas e ajudando o bebê a tirar sonecas restauradoras, com duração de no mínimo 1 hora.

A espécie humana é uma das que nascem mais precocemente no reino animal. Isso porque o cérebro enorme não poderia terminar de se desenvolver no útero da mãe ou o parto não seria possível, em conjunção com outro fator evolutivo: nos levantamos e andamos, já que somos bípedes. Fato é que bebês nasceram neurologicamente inacabados, são dependentes e precisam de nossa ajuda, toque, carinho, atenção, serem atendidos quando choram, receber colo, ajuda para quando precisam.

Quando o bebê está com sono, ele sente um mal estar que não sabe identificar, não sabe como resolver (dormindo), não sabe como pegar no sono, e só tem a linguagem do choro para comunicar suas necessidade físicas e emocionais. É muito importante estarmos atentos a essas necessidades, para que possamos atendê-las e proporcionar momentos de sonos tranquilos e felizes aos bebês, e consequentemente, para os pais também.

image

Patrícia Dias – Consultora de Sono Materno-Infantil, certificada internacionalmente pelo International Maternity Institute (IMI), consultora em aleitamento materno e Baby Planner da empresa Materno Mundi.

www.maternomundi.com.br

Facebook: maternomundi

Instagram: @maternomundi

Compartilhar:

 

Deixe um comentário

avatar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.